Livro: “Os livros que devoraram meu pai”, de Afonso Cruz

  Em primeiro lugar – e pode parecer engraçada essa ressalva –, quando comecei a ler, não sabia que estava lendo uma obra infanto-juvenil. Induzido pelo título altamente sugestivo, imaginava uma história em que, sim, livros tinham devorado o pai do protagonista. Tenho o costume de não escolher livros pelo autor, pelo gênero ou pelo … Continue lendo Livro: “Os livros que devoraram meu pai”, de Afonso Cruz

Anúncios

Livro: “O ruído do tempo” (2017), de Julian Barnes

Não me considero seguidor da obra de nenhum escritor. Por alguns anos, acompanhei todos os lançamentos de Neil Gaiman, mas, mesmo ainda gostando do seu estilo e inventividade, nos últimos anos ele não despertou mais tanto o desejo de lê-lo com urgência igual à que experimentava no passado; pode ser deixado para depois, e isso … Continue lendo Livro: “O ruído do tempo” (2017), de Julian Barnes

Livro: “A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby”, de Charles Dickens

Escrevi uma resenha para o Amálgama sobre "A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby", de Charles Dickens, um romance do início da trajetória literária do escritor inglês. Há mais de 60 anos que o mercado brasileiro não via uma nova tradução dessa obra, e foi quase como descobrir um Dickens desconhecido: mais jovem, mais … Continue lendo Livro: “A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby”, de Charles Dickens

Obras Inquietas – 53. “Marguerite no sabá” (1911), Pascal Dagnan-Bouveret

Na minha coluna dessa semana no "Obras Inquietas" lá no Artrianon (www.artrianon.com), eu escrevi sobre uma pintura de Pascal Dagnan-Bouveret, "Marguerite no sabá". Essa é uma cena decisiva do "Fausto", de Goethe: o momento em que Fausto está em um sabá com Mefistófeles e olha Marguerite, a mulher que seduziu e engravidou, emergir como um … Continue lendo Obras Inquietas – 53. “Marguerite no sabá” (1911), Pascal Dagnan-Bouveret

O sonho do arco-íris e o persistente cheiro de sangue humano

Às vezes perguntam-me o segredo de escrever bem - como se existisse algum segredo nisso, e como se escrever fosse algo mensurável - e eu respondo com o sábio conselho da minha orientadora de Mestrado e professora Léa Masina: ler e decorar um poema em jejum, assim que acordar. Por alguns anos consegui fazer essa … Continue lendo O sonho do arco-íris e o persistente cheiro de sangue humano

A literatura como um farol

A produção do Fronteiras do Pensamento 2017 pediu para que eu escrevesse um ensaio sobre a obra do escritor cubano Leonardo Padura. Mas, como nada na vida é simples, pediram para que tentasse conectar o texto ao tema do Fronteiras desse ano, que, em uma síntese, seria "Num mundo onde as divisas são sutis e … Continue lendo A literatura como um farol

Obras Inquietas – 39. “A Vida e a Morte” (1916), Gustav Klimt

Nessa semana na minha coluna Obras Inquietas, no Artrianon, tive a oportunidade de falar de um dos pintores que mais admiro: Gustav Klimt. Em "A Vida e a Morte", Klimt deixa de lado as mulheres etéreas ou as paisagens vagas e trata, de forma simbólica, da relação entre uma vida que insiste em preservar aquilo … Continue lendo Obras Inquietas – 39. “A Vida e a Morte” (1916), Gustav Klimt

Obras Inquietas – 35. “Uma família de san-culottes descansa depois das fadigas do dia” (1792), James Gillray

A minha proposta no "Obras Inquietas", a coluna que assino no Artrianon, sempre foi mostrar obras de arte que, de alguma forma, me transmitiam inquietação e perplexidade. No entanto, tal inquietação se dá em muitos níveis, tanto em mim como es. Nunca estabeleci critérios, e até acho errado estabelecer classes e distinções, pois as obras … Continue lendo Obras Inquietas – 35. “Uma família de san-culottes descansa depois das fadigas do dia” (1792), James Gillray

Miguel Ángel Astúrias e a América Latina em carne e seiva

Ontem completamos 43 anos sem Miguel Ángel Asturias, um dos escritores que melhor soube cantar as belezas da América Latina. Fiz uma postagem no Facebook comentando o fato, e várias pessoas pediram-me para falar um pouco mais sobre esse escritor guatemalteco, então resolvi escrever algo um pouco mais dilatado aqui no blog. Nós, brasileiros, conhecemos … Continue lendo Miguel Ángel Astúrias e a América Latina em carne e seiva

Livro: “Mário de Andrade – Exílio no Rio”, de Moacir Werneck de Castro

Escrevi para o Homo Literatus ( http://homoliteratus.com/ ) uma resenha sobre o livro "Mário de Andrade - Exílio no Rio", do jornalista Moacir Werneck de Castro, que trata do período muito intenso que o Mario viveu fora de São Paulo. Um livro tão bem escrito - e com personagens tão fascinantes - que nem parece … Continue lendo Livro: “Mário de Andrade – Exílio no Rio”, de Moacir Werneck de Castro