O que eu mais gosto nesse vídeo é o fascínio com que as pessoas se entregam para a ruptura insólita no cotidiano trazida por um poema. Os olhares ficam distantes, as bocas se contraem em sorrisos quase distraídos e, mesmo sem querer, as pessoas se perdem nos meandros de uma poesia que, por meio de palavras tranquilas e inexoráveis, fala com aquilo que temos de mais oculto.

O poema é “Confidência do Itabirano”, de Carlos Drummond de Andrade, e, mesmo sem ser de Itabira, conseguimos entender exatamente essa sensação da memória estar presa em quadros que nos machucam. Cedam também ao fascínio:

O poema completo:

Confidência do Itabirano – Carlos Drummond de Andrade

Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferro nas calçadas.
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e sem horizontes.

E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
é doce herança itabirana.

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:
esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil,
este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;
este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa…

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s