Sou um aficcionado pelas esculturas de Bernini e, no texto que escrevi para o Obras Inquietas dessa semana, falei de um busto que ele esculpiu em torno de 1619, na época em que ainda era jovem e estava testando o seu estilo. Depois Bernini ficaria mais sutil, mais diáfano – é incrível como consegue deixar a pedra leve -, mas, nesse período, ele ainda conseguia expressar emoções fortes, intensas, marcantes. A escultura se chama “Anima dannata” – prefiro o nome em italiano; em português, seria “Alma danada” – e ela faz par com a “Anima beata”. Por muitos anos, os críticos de arte acreditavam que um busto simbolizava a visão do pecador diante das portas do Inferno e o outro representava a visão de alguém de alma pura diante dos portões do Paraíso. Hoje existe uma interpretação de que Bernini fez um sátiro e uma ninfa, mas as diferentes versões para os mesmos bustos não tiram nada da expressividade quase contundente da obra.

Boa leitura.

Não escutamos o grito, mas conseguimos imaginá-lo: retumbante, assombroso, com toda a dor congelada no momento exato, terrível, que se preparava para sair dos lábios ressequidos e ganhar o mundo. Os olhos arregalados até quase saltarem das órbitas, a fronte franzida e a boca aberta em um ângulo impossível não deixam dúvidas: eis um homem que sabe que foi condenado a passar a Eternidade em sofrimento. Todo grito contém um pouco de indecência; fomos ensinados a não expor a dor publicamente, a não sentir em demasia, a não expressar em voz alta o desespero que corrói a nossa paz de espírito. Todo esse ensinamento só serve para sufocar os inúmeros gritos que enchem nossas bocas, transformando-nos em criaturas repletas de pulsões selvagens, silenciosas. Para libertar seu pavor nesse grito mudo que o mármore eternizou, o homem tinha que experimentar a pior de todas as sensações: o fim da esperança. A certeza de que nada irá salvá-lo, seja do horror invisível que jaz aos seus pés, seja do formão e do cinzel do escultor que manuseia a forma bruta do mármore e dá concretude para um terror eterno, indescritível. Um medo desconhecido, mas que sabemos que mora no fundo do nosso espírito, no local em que a sombra se separa do corpo. Nunca saberemos qual o som da voz que mora no fundo da insensata pedra; nunca saberemos a origem de tamanho pânico, se o homem percebe-se condenado ao inferno ou à dor. No entanto, no meio da anônima noite, às vezes sentimos o medo escorrer pelas paredes repletas de escuridão e se despejar sobre o nosso peito. Nessas ocasiões, repletas de angústia longa e excruciante, gostaríamos que um grito iluminasse nossas trevas internas e expulsasse o fardo de existir da mesma forma que expulsamos um cachorro do quarto.

Texto originalmente publicado no link https://artrianon.com/2018/05/27/obras-inquietas-62-anima-dannata-1619-gian-lorenzo-bernini/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s