Os polemistas

Estão por todos os lugares, os polemistas, e essa é uma das suas principais características: a onipresença. A capacidade de dar o tapa, esconder a mão e apontar para outra pessoa na multidão. O aparente desdém com que iniciam uma briga inócua e depois recuam um passo, vendo a multidão se alvoroçar em dois lados … Continue lendo Os polemistas

Anúncios

Obras Inquietas – 45. “Cão atacando gansos” (1769), Jean-Baptiste Huet

Quem acompanha minhas colunas sabe que gosto de quadros que narram cenas de alta tensão e que estão concentradas em um momento no qual o terror e a beleza confluem como uma pororoca, e esse é o caso da pintura que tratei no "Obras Inquietas". Em "Cão atacando gansos" (1769), de Jean-Baptiste Huet, a cena … Continue lendo Obras Inquietas – 45. “Cão atacando gansos” (1769), Jean-Baptiste Huet

As pessoas sempre nos decepcionam

Se decepção matasse, hoje eu cairia morto. O último baluarte da decência e da civilização acaba de desmoronar diante dos meus olhos, confirmando a constatação a que cheguei algum tempo atrás: as pessoas sempre nos decepcionam. Algumas antes do imaginado, outras depois, mas, no final das contas, elas acabam desapontando. Estou lendo "Heróis", de Lucy … Continue lendo As pessoas sempre nos decepcionam

Obras Inquietas 44. “Melancolia I” (1514), Albrecht Dürer

Na minha coluna dessa semana no "Obras Inquietas", cheguei à 44a obra que me desperta algum tipo de desconforto, e a escolhida dessa vez foi "Melancolia I" (1514). do Albrecht Dürer. Não cheguei a ler "O símbolo perdido" do Dan Brown, mas certa vez me comentaram que essa pintura é o centro de onde saem … Continue lendo Obras Inquietas 44. “Melancolia I” (1514), Albrecht Dürer

Um artista não pode perder a humanidade

Alguns dias atrás, assisti na Netflix ao filme "Margot e o casamento" (2007). Em geral, narrativas sobre famílias disfuncionais reunidas à contragosto por um evento naturalmente estressante (como um casamento ou um funeral), sendo obrigadas a conviver sob o mesmo teto e com uma explosão prestes a ocorrer graças à mais insignificante fagulha, não me … Continue lendo Um artista não pode perder a humanidade

Obras Inquietas – 43. “Mulher chorando” (1947), Cândido Portinari

Nessa semana, na minha coluna no Artrianon, eu falei sobre uma obra pouco comentada de Cândido Portinari, "Mulher chorando" (1947). A postura pasma e um tanto bovina da desconhecida revela uma mulher acostumada a sofrer e que, ainda assim, deixou a dor assumir o controle dos seus atos. Temos mais dúvidas do que certezas, mas … Continue lendo Obras Inquietas – 43. “Mulher chorando” (1947), Cândido Portinari