Sempre esperamos uma mensagem de amor

Ontem assisti a uma montagem de "Yerma", peça teatral escrita por Federico Garcia Lorca em 1936, e que revela uma incrível atualidade com questões que ainda afligem a Humanidade, como casais que não conseguem ter filhos, a pressão da família para que as mulheres engravidem, as fofocas constituintes de qualquer grupo social, os abortos e … Continue lendo Sempre esperamos uma mensagem de amor

Anúncios

Obras Inquietas – 42. “O boxeador de Quirinal” (330-50 a. C.), Anônimo

Na minha coluna dessa semana no Artrianon, eu tratei da escultura "O boxeador de Quirinal", feita por um artista cujo nome se perdeu no tempo, estimativamente concluída entre os anos de 330 e 50 a. C., ou seja, existem fundadas dúvidas sobre a sua idade. Acredita-se que ela mostre o famoso boxeador Theogenes, campeão absoluto … Continue lendo Obras Inquietas – 42. “O boxeador de Quirinal” (330-50 a. C.), Anônimo

O sonho do arco-íris e o persistente cheiro de sangue humano

Às vezes perguntam-me o segredo de escrever bem - como se existisse algum segredo nisso, e como se escrever fosse algo mensurável - e eu respondo com o sábio conselho da minha orientadora de Mestrado e professora Léa Masina: ler e decorar um poema em jejum, assim que acordar. Por alguns anos consegui fazer essa … Continue lendo O sonho do arco-íris e o persistente cheiro de sangue humano

Obras Inquietas – 41. “O violinista” (1967), de Oswaldo Guayasamín

Não é sempre que tenho a oportunidade de falar sobre a pintura latino-americana, que tenho como uma das expressões artísticas mais fortes do continente inteiro. Nessa semana, na minha coluna no Obras Inquietas lá no Artrianon, eu falei sobre o pintor e escultor equatoriano Oswaldo Guayamasín, e sobre um quadro de estilo expressionista que gosto … Continue lendo Obras Inquietas – 41. “O violinista” (1967), de Oswaldo Guayasamín

A literatura como um farol

A produção do Fronteiras do Pensamento 2017 pediu para que eu escrevesse um ensaio sobre a obra do escritor cubano Leonardo Padura. Mas, como nada na vida é simples, pediram para que tentasse conectar o texto ao tema do Fronteiras desse ano, que, em uma síntese, seria "Num mundo onde as divisas são sutis e … Continue lendo A literatura como um farol

Resenha do livro “Urubus em círculos cada vez mais próximos”, de Cesar Cardoso

Escrevi para o Homo Literatus (www.homoliteratus.com) uma resenha sobre o livro "Urubus em círculos cada vez mais próximos", do Cesar Cardoso. Uma 0obra formada exclusivamente por minicontos, levando ao máximo a tensão narrativa e usando para isso o mínimo de palavras e descrições. O conto no seu estágio mais bruto, mais selvagem. Não é algo … Continue lendo Resenha do livro “Urubus em círculos cada vez mais próximos”, de Cesar Cardoso