Obras Inquietas – 31. “O último homem” (1849), John Martin

Há algum tempo eu desejava escrever sobre John Martin, pintor romântico inglês especializado em retratar a pequenez humana diante da imensidão das situações e dos cenários. Os quadros deles sempre me suscitaram inquietação e temor, em especial pela sua capacidade de mostrar a nossa solidão diante desse mundo, vasto mundo.

Para o “Obras Inquietas” no Artrianon, eu escolhi “O último homem” (1849), o quadro que retrata a angústia de ser aquele que foi deixado pela morte para ser o último.Talvez a fonte real de inquietação desse quadro seja a última conversa que tive com a minha (recentemente falecida) avó, em que ela me perguntou se eu era capaz de imaginar o horror de viver em um mundo sem meus amigos, minha família, as pessoas que eu amava, tudo por que a Morte acabara lhe esquecendo. Um dia a Morte lembrou da minha avó, e pergunto-me se não foi com alívio que ela partiu.

Boa leitura.

O último homem (1849), John Martin

Quando colocou a derradeira pedra sobre o túmulo da sua mulher, o último homem da Humanidade ergue a cabeça e sente o silêncio como se fosse uma presença física. O silêncio das pedras, o silêncio das cinzas que infestavam o ar com a sua lembrança de morte e de isolamento. Nenhum som sai das sombras das árvores que não mais estavam ali; nenhum suspiro escapa das ruínas das cidades mortas. Só o silêncio: a ausência das risadas que não existem mais, o sumiço do vento que antes trazia os sons da vida distante, o silêncio e somente ele. No firmamento, o sol, que por tantos milhares de anos fora uma fonte de luz e de alegria, solta seus últimos estertores gelados. Ele brilha sangue. Na terra, o solo esfarelento ainda recorda da vida que outrora se arrastava por suas entranhas. O último homem do planeta olha ao redor, e não encontra nenhum conforto ou lampejo de esperança. Não resta mais nada, somente a solidão. Não restaram filhos, amigos ou inimigos; a sua vida é um longo arrastar-se por essa eternidade que se estende até a morte e chamam de vida. Sempre cobiçou a solidão e, agora que se tornou o último homem da Terra, só consegue sentir-se enlouquecer ao ouvir as batidas estrondosas do próprio coração, ou o silvo que o ar faz ao sair dos seus pulmões. Ninguém nunca lhe disse que carregaria consigo o fardo de ser o último homem que pisaria sobre esse planeta moribundo, mas tudo o que consegue pensar é que não queria se sentir tão sozinho, tão desesperadamente sozinho, envolvido pelo silêncio e pela memória. Sobreviver é o maior dos castigos para quem não tem mais alegria ou esperança.

 

Texto originalmente publicado no link https://artrianon.com/2017/05/21/obras-inquietas-31-o-ultimo-homem-1849-john-martin/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Crônicas, John Martin, O último homem, Obras Inquietas, Pintura, Produção Literária

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s