Obras Inquietas: 28 – “Retrato de um coração” (2013), Christian Schloe

Nessa semana, na minha coluna no “Obras Inquietas”, eu cedi à arte digital (também posso ser moderno, não?) e falei sobre “Retrato de um coração” (2013), do austríaco Christian Schloe, que se especializou em mostrar mulheres e seu mundo interno de uma forma poética, mas ainda assim brutal.

No caso da pintura que escolhi, é uma metáfora para o amor morto, cujas brasas continuam queimando mesmo depois que ele já se foi.

Boa leitura.

 

 

Queima como o inferno. Por mais que você tente esquecer, não consegue: está ali, uma chaga viva, cada mínima memória despertando novas dores e ressuscitando as chamas dos gestos não realizados. Tenta pensar em outra coisa, mas a imagem do ente amado insiste em acompanhar os seus passos. Cada mínimo som, cada cheiro mais almiscarado, cada risada surpreendida em um canto do apartamento basta para trazer à tona a ausência tão presente de quem se foi, e isso faz o coração queimar com insuspeitada ardência. Você sufoca em silêncio, e tudo o que gostaria de fazer é mergulhar no poço de lava de recordações que dilacera o seu peito, mas o mundo continua girando ao seu redor, e o tempo vira um amálgama de sensações indefinidas, uma ninfa sombria que tortura os seus pensamentos. Devastado, o sentimento se despedaça em um mar de cinzas incandescentes que insistem em lhe perseguir como milhares de lâminas quentes que se cravam em cada segundo do seu dia, lembrando: você perdeu o amor da sua vida. Pode ser que existam outros amores no futuro, mas, naquele momento de perda, o seu coração triturado jura que é a última pessoa que você amou e que irá lhe amar da mesma maneira (tem razão, pois não existem dois sentimentos iguais). Nunca mais ninguém lhe beijará da mesma forma; nunca mais o corpo da outra será seu. Saber disso lhe machuca mais do que qualquer outra chibata. O coração queima, vulcão que se imaginava pacificado, mas, na verdade, só irrompe quando explode na dor do irremediavelmente perdido. O coração queima em um enterro viking dentro do seu peito, juntando todas as efígies e sonhos de quem um dia lhe amou, e o ar falta, e o mundo encolhe ao redor, e a pessoa que você foi queima junto; a inocência dos sentimentos vai aos poucos se corroendo, até que só resta um animal escorreito, uma criatura sem alma, outro ser que desaprendeu a amar.

Texto originalmente publicado no link https://artrianon.com/2017/04/16/obras-inquietas-28-retrato-de-um-coracao-2013-christian-schloe/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Christian Schloe, Crônicas, Obras Inquietas, Produção Literária, Retrato de um coração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s