Sobre o outro que mora dentro do espelho

Sou um homem afortunado, pois recebo muito material interessante sobre arte. Até mesmo sobre dança, estilo artístico que admiro, mas sobre o qual sinto-me o mais absoluto leigo, limitando minhas opiniões ao velho e bom impressionismo: “gostei” ou “não gostei”.

Contudo, as pessoas sabem que o mais importante é a ideia que dá ânimo à arte, e um dos assuntos que me encanta – assim como fascinou dezenas de outros artistas – é o espelho. No caso, a minha linha de interesse mais específico é como o espelho é usado para colocar o espectador dentro da obra de arte, trazendo-o para dentro do “crime” por assim dizer, transformand0-lhe em cúmplice e partícipe. Rastreio obras de arte que possuem essa ideia como mote e, se quiserem um exemplo, eis o clássico “As meninas”, do Velázquez:

"As meninas", Velázquez

“As meninas”, Velázquez

Por saberem do meu interesse, acabaram me enviando esse vídeo, chamado de “O Espelho”, uma coreografia de Alexandre Desplat:

Dentro de cada pessoa existem várias pessoas, foi o que escrevi no conto “O homem despedaçado”. Não só aqueles que já fomos ou que um dia seremos, mas também todas as possibilidades que jamais seguimos e todos os sonhos (e pesadelos) que já acalentamos. Cada ser humano é um palimpsesto de muitos outros humanos, e não seria tão surpreendente se, em alguns pedaços, não acabamos nos encontrando e nos transformando em outros.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Alexandre Desplat, Arte, Dança, Diego Velázquez, espelho, Generalidades, Vídeo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s