O último poeta

Muitos meses atrás, escrevi um texto no blog falando sobre a morte de uma língua. Entre outras reflexões, mencionei que ninguém sabia quem tinha dado origem ao Cromarty, mas todos lembrariam a pessoa que o levou consigo para o túmulo. O texto que fiz está aqui: https://homemdespedacado.wordpress.com/2012/10/05/quando-a-lingua-some/

Tomei conhecimento de outra língua prestes a se extinguir, Arvanitika ou Arberishte, que era falada na Grécia central, no Peloponeso e nas suas ilhas. Uma língua sem pessoas não consegue resistir à passagem do Tempo, ainda mais quando não tem um sistema oficial de escrita, não possui dicionários e nunca foi ensinada nas escolas. Ela se isolou entre as montanhas, e acabou sendo esquecida.

Os poucos falantes da língua ainda lutam para que ela não suma, apesar de saber que a sua batalha é inglória. Cada pessoa que morre leva consigo um pouco do Arvanitika. Os pesquisadores tratam de guardar o máximo possível de sons, mas a sua função é preservar para que a Humanidade saiba que, um dia, existiram pessoas que falaram uma língua já morta. Não pretendem ressuscitá-la ou salvá-la, sua tarefa é recordar.

arvanitika greece

Em outros tempos, falavam aqui Arvanitika.

 

No entanto, antes que a língua desapareça de vez, o poeta Yorgos Soukolis fez um poema em Arvanitika. Detalhe interessante deste poeta, nascido no vilarejo de Agios Yiannis, localizado em uma montanha da região de Coríntio, é que somente escreve poesias em Arvanitika. Sonha que as suas poesias consigam manter a língua viva, sonha que a força dos versos seja mais forte do que a sobrevivência das palavras que os formam.

Abaixo segue a poesia conforme foi registrada em áudio:

 

 https://soundcloud.com/worldlittoday/language-of-stone-by-yorgos-soukoulis-original-recording

 

Não é uma língua fácil. Dá para sentir as palavras raspando entre si, criando áreas de atrito. Escutando com máxima atenção e em uma sala escura, é possível captar a música ancestral que se desenvolve nas sombras dos versos. As vozes dos que já morreram. O ritmo invisível da ausência.

No entanto, mais do que tudo, é possível sentir o cansaço. A língua está desistindo das pessoas. Não realizou mais trocas, deixou o grego tomar conta e, em seguida, os idiomas estrangeiros invadirem as suas paragens. Durante algum tempo, foi útil e entoou versos heróicos, foi usada em discursos políticos, expressou medos, preocupações e esperanças. Formou famílias e também as dissolveu; começou conflitos, e os encerrou. Foi a base de cantigas de amor e disseminou ódios. Na sua juventude irresponsável, provavelmente debochou de Homero quando ele passou cantando a lira, espiou de longe as peças de Ésquilo e de Sófocles, tentou passar para o máximo de pessoas os ensinamentos de Platão, Aristóteles e Sócrates. Antes brincava com o vento e, hoje, vê as pedras esquecendo o seu som, vê o vento erodindo a sua memória, espalhando palavras soltas por entre tumbas que não existem mais.

O tradutor Peter Constantine traduziu o poema de Soukolis para inglês:

Language of Stone

I try to write something I have done,
I have lived, I have learned,
but I cannot remember a word once spoken by my ancestors,
Arberors speaking Arberishte.

I have no one to turn to who might help me remember;
if I cannot quite remember the word I will not write it.
Days pass, weeks pass, sometimes months, as I linger in mid-line.

I ask my people, friends who still know Arberishte,
if they remember how our ancestors once said a thing.
But I find no help, not once in a thousand.
when I last heard the word I have forgotten.

As I wake it is there and I write it
on a piece of paper I keep by my side.

 

A língua morre, palavra por palavra. O poeta quer a palavra perfeita que designaria algo, e não consegue. Fala com outras pessoas, também não ajudam. Tenta desesperadamente lembrar, mas ela se perdeu em alguma parte da sua recordação. Enfim, desiste e deixa a palavra morrer, mesmo sabendo que a língua ficará mais fraca e, amanhã, não tem nem ideia de qual palavra será irremediavelmente perdida. Será que gato deixará de ser gato? Será que o amor sumirá? Ou, talvez, tenha chegado o último dia do infinito?

Só quem lida com palavras e com a beleza delas sabe a dor que é ver uma língua morrendo. Imagino o pânico do poeta, que escreve palavras na areia e enxerga o vento as carregar consigo. Um poeta que corre contra o tempo, enquanto a sua língua, o material que usa para colocar a poesia no mundo, se esvai pela ampulheta.

Não consigo imaginar dor maior do que ser o último poeta de uma língua inteira, o depositário de todos os sonhos que centenas de pessoas acalentaram.

Aquele que presencia as palavras desaparecerem uma a uma – até que só resta o silêncio.

1 comentário

Arquivado em Arvanitika, Generalidades, Língua

Uma resposta para “O último poeta

  1. Olá, Gustavo. Conheci seu blog ontem e já me identifiquei. Também tenho paixão pelas palavras, curiosidade por línguas e muita pena quando tenho notícia da extinção de algumas delas. Vi no seu perfil que você é operador do Direito, assim como eu (mas não sou tão apaixonada pela área como você). Eu sou advogada e, antes, era jornalista. O bichinho da escrita me acompanha desde sempre e eu não pretendo abandoná-lo nunca, embora o tempo tenha sido exíguo ultimamente para escrever.

    Eu iniciei um blog com um grupo de leitura que tenho com alguns amigos, mas eles apenas compartilham o prazer da leitura, e não o da escrita, então nosso Porto Solar andou meio abandonado e apenas agora eu o estou retomando.

    Ao ler seu texto lembrei de minha primeira postagem, há não muito tempo ( http://portosolar.blogspot.com.br/2013/06/ler-ver-escrever.html ) Se você tiver um tempinho, dá uma olhada. Eu não fiz nenhuma divulgação do blog, nem sei ao certo como fazê-lo, e as pessoas me acompanham mais pelo facebook. Depois vou trabalhar um pouco nisso.

    Foi muito legal conhecer seu espaço aqui.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s