Quatro fragmentos sobre amor

I Não sou a pessoa mais indicada para escrever sobre amor. É um clichê absoluto. Todos os amores felizes se parecem, mas cada amor infeliz tem a sua própria história. Irrita-me escrever sobre amor. Quando faço (o real, não este falso que se coloca nos livros), é para uma só pessoa. Tenho dezenas de textos … Continue lendo Quatro fragmentos sobre amor

Anúncios

“Nós não somos heróis”, texto publicado no Literatortura em 27/07/2014

Este texto foi publicado hoje no Literatortura (www.literatortura.com). Muitas são as pessoas que, quando sabem que escrevo, perguntam qual o posicionamento político que adoto. Nunca fiz esta pergunta aos meus textos, mas imagino que as respostas deles devem ser impropérios, risadas ou muxoxos de indiferença. Deixo eles livres para que as pessoas pensem o que … Continue lendo “Nós não somos heróis”, texto publicado no Literatortura em 27/07/2014

“Meu amigo, o buraco negro”, conto publicado na antologia “É assim que o mundo acaba”, em 2012

Em 2012, era muito forte o boato de que se cumpriria uma profecia maia no final do ano (20/12/2012) e o mundo acabaria. Acho que o mundo ainda existe, mas não tenho certeza. A Editora Oito e Meio, do Rio de Janeiro, resolveu fazer uma antologia de contos com a temática do fim do mundo, … Continue lendo “Meu amigo, o buraco negro”, conto publicado na antologia “É assim que o mundo acaba”, em 2012

A maravilha silenciosa

É uma pena que perdemos a capacidade de nos maravilhar. Vale em todos os sentidos, desde a experiência de se sentir arrebatar por uma obra de arte até aquele dia em que você olhou uma pessoa e descobriu que ela estava diferente de todos os outros dias. O mundo seria um local bem melhor se todos cedessem às … Continue lendo A maravilha silenciosa

“Um mundo com mais poesias e menos poetas”, texto publicado no Literatortura no dia 20/07/2014

Tem texto novo meu no Literatortura (www.literatortura.com), e eu o trouxe para cá. Apesar de ser uma pessoa cheia de amigos poetas, e de saber que a paranoia vai rolar solta após a leitura deste texto, as pessoas que eu estava pensando sabem muito bem quem são - espero que parem de enganar por aí. … Continue lendo “Um mundo com mais poesias e menos poetas”, texto publicado no Literatortura no dia 20/07/2014

“Ternos e café”, texto publicado no blog Las Meninas em 23/04/2013

Em abril de 2013, a Laura Ferrazza - esposa do meu colega escritor José Francisco Botelho e que, na época, eu nem conhecia pessoalmente - pediu para que eu escrevesse um texto para o lindo blog dela e de suas amigas, o Las Meninas (http://lasmeninasmoda.blogspot.com.br/). "É um blog sobre moda, Laura! O que eu posso … Continue lendo “Ternos e café”, texto publicado no blog Las Meninas em 23/04/2013

“A literatura como ato de subversão”, texto publicado no Literatortura em 11/07/2014

Estou em um esforço para emparelhar a minha produção por aí com os textos do blog. Este texto aí foi publicado hoje no Literatortura (www.literatortura.com). Eu considero a literatura como um ato de subversão, e o mais íntimo deles: uma subversão a si mesmo. O autor contra si mesmo. Ou o texto vale a pena … Continue lendo “A literatura como ato de subversão”, texto publicado no Literatortura em 11/07/2014

“Philip Roth e o direito de silenciar”, texto publicado no Amálgama em 14/11/2012

Em novembro de 2012, publiquei este texto no Amálgama (www.amalgama.blog.br) sobre o anúncio da aposentadoria do Philip Roth e o direito que todo escritor possui de deixar de escrever. Foi um texto feito apressadamente. Um pouco irônico, pois não simpatizo muito com a obra de Philip Roth, mas admirei demais a decisão espontânea dele de … Continue lendo “Philip Roth e o direito de silenciar”, texto publicado no Amálgama em 14/11/2012

Encontrando eu, o outro leitor

No aniversário que celebrei no ano passado, meus pais deram um pacote misterioso. Quando abri, deparei-me com um livro que não via desde a minha Antiguidade Clássica: "Emília no País da Gramática e Aritmética da Emília", do Monteiro Lobato. Ao invés de comprar um exemplar atualizado, meus pais consertaram e encaparam o volume que me pertencia. … Continue lendo Encontrando eu, o outro leitor