Os pontos nem tão finais

Às vezes, os pontos finais são caprichosos: eles se impõem com a força daquilo que é inexorável, encerrando a frase de forma contundente.

Enganam-se aqueles que imaginam que o autor tem controle sobre os pontos ou pode transformá-los em outros sinais de acentuação. Quando uma frase diz que deseja morrer, cabe-nos deixar atingir o seu fim, sabendo que, em seguida, ela ressuscitará em um novo formato. E, assim, a literatura vira um eterno exercício de esperança, com frases que morrem e ressuscitam, uma após a outra. O mesmo acontece com qualquer forma de arte, esta maneira de tentarmos nos convencer de que somos infinitos.

Neruda disse que caminhamos sobre o pó dos milhões de vidas que nos antecederam, o que transforma a Terra em uma sucessão infinita de cemitérios. Caminhamos sobre mortos. É um pensamento desesperador: hoje caminhamos, amanhã estarão passando sobre nossos restos.

Somos pontos finais, esperando a caneta vir cortar a história, às vezes incompleta, às vezes longa demais.

A Alexandra, do blog “Cinderela Descaída” (http://cindereladescaida.blogspot.com.br/), mandou-me este vídeo arrepiante:

Existe muita sutileza na mensagem. O pianista tocando o “Noturno n. 20” de Chopin pela última vez na rádio e, depois da invasão nazista, o mesmo pianista tocando a mesma música para reabrir a rádio. A certeza de que a arte pode suplantar o horror e suspendê-lo. No entanto, não é mais o mesmo homem: Wladyslaw Szpilman perdeu a fé, seu olhar é vazio. Na primeira vez em que a música foi tocada, ela era um desejo de esperança; na segunda, ela chora os mortos e a carga deixada para os vivos, a recordação.

O Noturno anuncia tanto o período de trevas quanto o retorno do sol. São peças geralmente melancólicas, apesar de expressivas e fortes no seu lirismo sutil. Da mesma forma que o homem, a música é igual, mas mudou. Ela carrega cicatrizes consigo. O horror se entranhou nela e a desconfigurou.

Os porta retratos sobre o piano são dolorosos: lembram a morte, a música é para as fotos emudecidas. A música sobrevive, as pessoas não. Existe algo doce em tentar vencer a morte. É uma batalha fadada ao insucesso, mas a tentativa é mais bonita do que a vitória.

O ponto final é a morte da frase. Mas, se forem agregados mais dois pontos, ele deixa de ser final e vira reticências, uma pausa no Tempo. O desejo de que o mundo pare. A vontade de ser um pouco mais do que poeira nas sandálias alheias.

sobre o infinito

ppp

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Chopin, Morte, Wladyslaw Szpilman

Uma resposta para “Os pontos nem tão finais

  1. Adorei. A tentativa de vencer a morte, uma luta vã, mas maravilhosa.
    Beijo,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s