Ela é o meu país

Estou no restaurante. Enquanto aguardo o preparo da minha refeição, presto atenção involuntária na mesa ao lado. A mulher ainda jovem conversa com um menino de cinco, seis anos: com voz lenta, as palavras saindo devagar para que o menino compreenda e não fique em dúvida, a senhora anuncia que ele precisará deixar a escolinha, pois a mamãe vai ter que mudar de emprego, mas, na outra cidade, ele entrará em outra escolinha, com novos coleguinhas. O menino acompanha todo o esforço discursivo da sua mãe, mas parece não estar entendendo. Quando ela pergunta, pela enésima vez, se está tudo bem, a criança dispara:

“Não vou sair da escola. A Gabi estuda nela.”

Por esta a mãe não esperava, tanto que a sua única reação foi perguntar quem era a Gabi. O menino suspirou, abrindo os braços para dar mais inflexão na frase:

“A Gabi, mãe, a Gabi é o meu país.”

Não lembro quando era pequeno, mas deve ser angustiante a sensação de tentar capturar um sentimento gigantesco, que não cabe em palavras, para uma pessoa que ainda está com o léxico em formação. Como um menino poderia definir a importância que a Gabi tem na vida dele? Qualquer pessoa pensaria em uma comparação, e não raro um clichê: “a Gabi é como o sol da minha vida”. O menino foi mais audaz: ele definiu o sentimento. Não comparou a Gabi com outra coisa, pois a menina é incomparável. Com a certeza de quem sente, ele disse aquilo que a sua coleguinha representava.

A mãe do menino desandou a rir. A risada é a melhor forma de lidar com o inesperado. Se tivesse pensado melhor na frase, entenderia que existe mais sabedoria ali do que imaginava. A Gabi o cerca por todos os lados. Ela é o centro do universo de todos que convivem na sua esfera. Mesmo sem saber, as pessoas estão sempre pensando na favorita do menino. Eles se preocupam com ela, amam-na simplesmente por estarem próximas e, apesar de ralharem de forma ocasional com a Gabi, sentem orgulho de a conhecerem. A Gabi é o ar que os outros respiram, a chuva que cai, o sol, a lua. O menino anda, almoça e brinca sempre com o pensamento naquela que lhe rodeia.

Parece lógico que a Gabi seja um país.

A menina anda pela rua e nem desconfia que, no universo de outra pessoa, em um curto intervalo de vida, já é tão importante que se transformou em um país. Virou alguém tão incrível que fez um menino desafiar a autoridade materna e a lógica da vida moderna para lutar pelo seu país. A Gabi nunca vai saber, mas é uma menina de muita sorte.

Devemos ser práticos. É uma batalha fadada ao fracasso. A primeira de muitas desilusões que aguardam o menino: perder o país, ver o eixo em que se desloca desaparecer no tempo. Não dá para vencer todas as lutas por aquilo que amamos. Amar também é perder.

Resta um consolo, ainda que tênue: talvez a vida seja realmente isto. Talvez sejamos seres deslocando-se no mundo, ilhas soltas, esperando encontrar o país correto, aquele que dará algum sentido.

575643_501364736592418_817264326_n

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Amor, Impressões, País, Produção Literária

3 Respostas para “Ela é o meu país

  1. Esse menino é um poeta!
    Lembrei da definição de Bolano ( me falta e “ene” no teclado) de pátria: sua mulher e filhos, uns livros e só.
    Uma crônica digna das melhores do Rubem Braga. Adorei.

  2. Eu queria conhecer este menino. Pena que a mãe dele não reconheceu a grandiosidade de seus sentimentos. Eu nunca acreditei, muito menos esperei, por príncipes, ou princesas, mas bem que poderia chegar “alguém” e dizer: “Tu és o meu país”. Genial! Lindíssima crônica.

  3. Uau! Quisera eu ter pensado nessa alegoria antes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s