A palavra como adaga

Em uma das ocasionais conversas que a profissão me força a ter com outras pessoas, certa vez deparei-me com um homem pérfido. Não é estranho que um advogado encontre pessoas malvadas na sua rotina, mas, até aquela data, eu nunca tinha encontrado um homem capaz de ser maléfico e destrutivo usando somente a palavra como … Continue lendo A palavra como adaga

Anúncios

A desobediência criativa

Em tempos idos, quando computadores não eram tão abundantes e onipresentes, as pessoas usavam folhas para escrever. No meu caso, os cadernos de colégio e faculdade sofreram sistemáticos ataques de criatividade, que se arrastaram desde o momento em que ganhei meu primeiro até o advento das máquinas de escrever e desta alegre vida tecnológica. Ainda … Continue lendo A desobediência criativa

Filme: “Procura-se um amigo para o fim do mundo” (2012)

Ontem, dia 20 de dezembro de 2012, o mundo deveria ter acabado. Como era de se esperar, tal fato não aconteceu. Bem, se tivesse acontecido, neste exato momento eu não estaria escrevendo e sim seguindo o plano de sobrevivência traçado muitos anos atrás, ou seja, estaria procurando alguma fonte de água potável e ferramentas que … Continue lendo Filme: “Procura-se um amigo para o fim do mundo” (2012)

Planejando o Apocalipse das formigas com Musashi e Maquiavel

Há questão de um mês, enfrento com galhardia e um pouco de desesperança uma praga de formigas trazida pelo calor impossível que está flagelando o Rio Grande do Sul. Por semanas, tentei entender o ponto de origem ou interceptar as linhas de suprimento. Parecia uma tarefa fadada ao fracasso, pois descobri que o veio principal … Continue lendo Planejando o Apocalipse das formigas com Musashi e Maquiavel

O amor é o homem inacabado: Éluard e a dança sem música

Ontem, durante festa de casamento em Bento Gonçalves, minha atenção acabou sendo desviada para a dança de um casal. Eram um homem e uma mulher de mais de sessenta anos, vestidos de forma sóbria, apesar do calor excessivo aconselhar certa informalidade. Eles dançavam passos antigos, sábios, de quem já esteve em muitos lugares e partilhou … Continue lendo O amor é o homem inacabado: Éluard e a dança sem música

Livro: “Silente”, de Renato Tardivo

  Daqui a alguns (ou muitos) anos, quando falarem da literatura das primeiras décadas do século XXI, com o necessário distanciamento que somente a passagem do tempo é capaz de proporcionar, talvez os teóricos e analistas se debrucem sobre as peculiaridades da produção literária de São Paulo. O Rio Grande do Sul anda repleto de … Continue lendo Livro: “Silente”, de Renato Tardivo