Analisando estatísticas – parte 2

Fui forçado a parar um texto que estava escrevendo sobre a biblioteca do Montaigne. Os acessos no blog cresceram de tal forma nos últimos dias que chegaram a 2000 antes que eu concluísse os meus pensamentos, e eu prometi revelar as estatísticas intestinas do blog quando completasse 2000 acessos. O Montaigne pode esperar. As estatísticas, não.

Não posso dizer que não esteja sendo interessante escrever este blog. Não sei se ele tem um assunto em específico ou uma linha de raciocínio definida, o que depõe terrivelmente contra a lógica argumentativa do seu autor, o qual se entrega a frequentes exercícios auto-xingativos por conta de tamanha falta de acuidade. Costumo escrever sobre aquilo que estou pensando, o que explica a irregularidade (dos meus pensamentos ou do blog ou do mundo, sei lá, é tudo a mesma coisa).

Por motivos que não sei explicar, levei quase quatro meses para chegar a 1000 acessos e dois meses para completar mais 1000. Seguindo esta lógica, completarei mais 1000 acessos em um mês, e depois mil acessos em 15 dias, e… volto a dizer, eu não devia analisar estatísticas e muito menos pensar em matemática, o mundo só tem a ganhar se eu ficar longe de conclusões estapafúrdias.

Bem, vou compartilhar algumas estatísticas com os leitores:

– Anaxímenes continua sendo o cara. Persiste sendo impressionante a quantidade de pessoas que visita o blog diariamente procurando a teoria, as ideias, as imagens e, o mais engraçado, as FOTOS do Anaxímenes. Como o filósofo grego é pré-socrático, duvido muito que alguém tenha conseguido fotografá-lo, até por que as câmeras fotográficas e o Instagram surgiriam muitos e muitos anos depois. Se alguém tiver fotos do Anaxímenes, terá também uma máquina de viagem ao Tempo, o que o tornará uma pessoa muito legal de se conhecer.

– No entanto, a postagem sobre Anaxágoras (“O mais terrível livro não-lido”) também apresentou um grande crescimento. E mais rápido do que Anaxímenes. Pelas minhas expectativas, até os 3000 acessos, Anaxágoras vai ser o novo maioral do pedaço. A batalha está instigante. E o interesse por estes dois filósofos, em plena modernidade, dá muita esperança para o conhecimento mundial e a perpetuidade do pensamento. Clap, clap, clap, sábios acessos.

-Graças a Deus, pararam de acessar o meu blog por causa das citações a Saussure e a Bakthin. A ordem mundial se manteve e a Linguística está a salvo das minhas heresias e ironias. Obrigado por não me matarem, linguistas.

– O número de acessos procurando resenhas e resumos de livros diminuiu (sentiram o puxão de orelha na análise de estatísticas anterior, não é?). Também diminuiu bastante a leitura do About. Um dia, a família cansa de ler as palavras com que me descrevi.

– Deviam fazer um concurso para ver o blog com MENOR número de seguidores. Eu tenho QUATRO (e tudo da família: valeu, pessoal. Opa, com uma honrosa exceção! Não citarei o seu nome em público, mas muito obrigado, Lívia. Ih, escapou). Ficaria realmente estressado se tivesse dezenas de seguidores. Com pouca gente acompanhando e só pessoas de qualidade, fica mais fácil escrever e se divertir sem me estressar com os eventuais leitores. Aliás, quando cheguei a 2000 acessos, a minha primeira reação foi pensar: “Meu Deus, o mundo enlouqueceu!”. Mas foi só a primeira reação, depois me acalmei.

– A postagem da resenha sobre o livro da Kelli Pedroso, “O Sexo das Antas”, quase bateu recorde de visualizações em um dia. Faltaram somente dois acessos para bater o recorde anterior. Até hoje os patamares de visualizações da resenha da Kelli se mantém estáveis, em média 10 ou 12 por dia.

– E agora vou falar das buscas estranhas que as pessoas fizeram e que, por motivos desconhecidos, acabaram aportando neste blog. Quando alguém coloca algo no Google e a busca remete a algum tema do blog, elas acabam entrando nele e eu sou informado. Adoro seguir o fio do raciocínio alheio. As buscas mais legais foram: “o estouro é grande mas os resultados pequenos” (não sei o que a pessoa estava exatamente procurando, mas é uma grande indagação, se os estouros são proporcionais aos resultados), “rottweiler com orelha e rabo cortados” (pobre animal, está na iminência de uma péssima experiência de vida), “em qual plantação o sol é essencial?” (olha, amigo, eu acho que, no planeta Terra, o sol é essencial em todas as plantações, mas é uma questão interessante), “homem ele e muito bom gostoso” (espero sinceramente que não tenha sido um canibal procurando receitas, e não entendo em qual momento do meu blog esta impressão foi criada), “quadro de van gogh que parece que os girassóis vão saltar para fora” (você precisa sair da internet e parar de se drogar, isto sim) e “jovem morto nos bancarios todo despedaçado” (alguém acordou macabro em São Paulo neste dia). Obrigado por terem tornado os meus dias mais nebulosos e inquisitivos tentando entender as buscas de vocês, caros leitores ocasionais.

Esta é a análise das estatísticas dos 2000 acessos. Já achei um milagre chegar aos 1000, o que dizer então de 2000 leitores? Vamos agora para mais 1000 acessos, mais uma falange macedônica, quando nossos planos de dominação e conquistas podem sair de Santa Catarina e se tornarem um pouco mais mundiais (talvez o Uruguai possa ser anexado com 3 falanges macedônicas, vou considerar). Agradeço aos leitores, tanto os habituais quanto os ocasionais, e encerro esta postagem com um alerta: se vocês estão tão perplexos comigo quanto eu estou com vocês, vamos seguir com as nossas perplexidades e levar adiante a vida, por que as certezas são um saco.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Blog, Estatísticas

6 Respostas para “Analisando estatísticas – parte 2

  1. raquel

    Eu costumo vir ao blog ver a análise estatística, que é sempre divertida. Mas como agora tenho mais tempo, vou tornar-me seguidora e procurar o tal post do anaxímenes e do anaxágoras, pra diminuir a minha completa ignorância sobre os fulanos. claro que se tivesse uma foto ajudava (minha memória é fotográfica). E antes de tudo, vou ler o about pra ver se faz jus ao autor. 🙂

    • Eu bem que suspeitei que os acessos constantes de Portugal tinham a ver com uma certa pessoa, Raquel, mas fui educado demais para perguntar. Achei que agora, com o advento do Lucas, que o teu tempo para ler blogs iria escassear, hehehe. Quanto às postagens sobre anaxímenes e anaxágoras, elas estão, respectivamente, em “Sobre o ar” e “O mais terrível livro não-lido”. Leia, e ti verás que não sei o motivo pelo qual o google insiste em me mandar os seguidores destes dois filósofos, as postagens não tem nada de anormal. E, quanto ao About, tu já conheces o autor, mas sempre é bom dar uma conferida para ver se não sou um fake, hahahahaha. Beijão! 🙂

  2. Kelli Pedroso

    Impressionante, como consegues tornar até um texto sobre estatísticas interessante. Obrigada pela citação. Espero que muitos outros leitores visitem o teu blog, para aumentar a audiência, e para aumentar as vendas de “O Sexo das Antas”. Vida longa ao blog!

  3. geni dornelles

    Olha eu aí!!! Gostei do que li. bj.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s