Fragmentos de Eternidade – fragmento um

Subo a escada rolante e não dou atenção para o mosaico do chão, para a abóbada fugida de algum templo bizantino, para os lustres balouçantes. Os passos ecoam no meio do som de vozes misturadas, nas quais ocasionalmente se destacam o brilho de algum grito ou a escuridão de alguma risada perdida. As luzes das lojas confundem a visão com sonhos de consumo, tentando me desviar do destino; outras tocam músicas com desespero, fazendo promessas como as sereias turvaram os marinheiros de Ulisses. Resisto ao monstro luminoso que insiste em me reter no estômago e continuo caminhando, os olhos fixos na porta da Galeria. Lembro que Cortázar disse que todas as galerias são a mesma, que as regras do espaço e do tempo não valem no seu interior, que um homem pode entrar na França e sair na Argentina, que um homem pode entrar em Porto Alegre e sair onde quiser. A porta me separa da rua mundana, e o arco que a distingue em meio à sólida parede é um último lembrete, deixai a esperança, vós que entrais. Cada passo me aproxima mais da saída, o barulho das pessoas corre pelo corredor em um cicio quase hipnótico, fecho os olhos e piso para fora, nem sempre o homem que sai é o mesmo que entrou.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas, Galeria Chaves, Impressões, Lugares, Produção Literária

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s