As chuvas invisíveis

Estou no escritório e, da janela do sétimo andar de um prédio em Porto Alegre, vejo a chuva cair. No entanto, ela é fraca demais para se sustentar e, no intervalo que a separa até o chão, o calor raivoso evapora os pingos. Ninguém sabe que está chovendo. O máximo que as pessoas devem sentir é o bafo úmido tocando o seu rosto, uma espécie de alívio fugidio no meio do sufoco. Contudo, o mais provável é que não sintam nada, pois este é um mundo insensível, incapaz de sentir a presença fantasma da chuva.

É um fenômeno da natureza, eu sei. A “chuva invisível” é aquela que sai da nuvem normalmente mas, ao atravessar uma massa de ar seco, evapora antes de chegar no solo. Mesmo sabendo disto, é interessante ver o mundo dividido em duas partes: uma consciente da chuva, e outra que a ignora por completo. Aqui em cima, os passarinhos se refestelam nos pingos; lá embaixo, as pessoas continuam imersas nos seus problemas e vidas, suando e esperando a redenção da chuva (tão próxima, tão distante).

Boa metáfora para a epopéia humana no planeta: eterno caminhar na superfície, desconhecendo a magia que se processa há alguns metros de distância.

O sol volta a brilhar com força e a chuva retrocede, elegante. Da mesma forma discreta com que surgiu, a magia desaparece. No céu, nem um arco-íris.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s